Trabalho infantil aumenta em zona de conflito e de desastres

No dia 12 de junho celebra-se o Dia Mundial do Trabalho Infantil e em pleno ano 2017 os números continuam a ser assustadores. Apesar de uma queda de um terço entre 2000 e 2016, a verdade é que quase 170 milhões de crianças estão sujeitas a alguma espécie de trabalho infantil.

Publicado por Finanças | 0
Trabalho infantil aumenta em zona de conflito e de desastres

Este ano será o 15º ano que o mundo celebra o Dia Mundial do Trabalho Infantil e o lema é proteger as crianças do trabalho infantil em palcos de guerra e de desastres. Instituído pela Organização Internacional do Trabalho, este dia tem como objetivo alertar o mundo para o número ainda demasiado elevado de crianças que são obrigadas a trabalhar em todo o mundo. Os números mostram que, numa idade em que deveriam estar a estudar e a construir um futuro melhor para a sua geração, 168 milhões de crianças estão a trabalhar, alguma delas em condições de exploração, segundo dados da Organização Internacional do Trabalho.

Grande parte destas crianças vive em palcos de conflito ou de desastres, refere a OIT. O impacto é devastador na vida das pessoas, sobretudo na vida das crianças que começam por ver as suas escolas destruídas e por deixarem de ter acesso a serviços básicos. Muitas destas crianças acabam mesmo por tornar-se refugiadas dentro do próprio país, ficando sujeitas a situações de tráfego e de trabalho infantil

O retrato do trabalho infantil no mundo

A classificação de trabalho infantil acontece quando as crianças são ou demasiado novas para trabalhar ou participam em atividades que são prejudiciais para a sua saúde física e mental, mas também que colocam em causa o seu desenvolvimento social ou educacional.

Estas situações acontecem com maior incidência nos países menos desenvolvidos, com destaque para os países da África Subsaariana. Nesta região, uma em cada quatro crianças entre os 5 e os 14 anos participa em atividades que prejudicam a sua saúde e o seu desenvolvimento, segundo dados da UNICEF. Estes dados são confirmados pela OIT, que apontam para 59 milhões de crianças envolvidas em trabalho infantil nesta região.

É na agricultura que se vê mais crianças a trabalhar (cerca de 98 milhões). Mas tanto o setor dos serviços como o da indústria têm números assinaláveis de trabalho infantil (54 milhões e 12 milhões, respetivamente). Já quando se olha para o género, as raparigas são mais penalizadas do que os rapazes.

Todos estes números são ainda muito elevados quando se olha para o objetivo estipulado de acabar com o trabalho infantil até 2025.

TAGS:

COMENTÁRIOS

20185
22701
5
0