Produção Nacional e mercados e indústrias mais fortes em Portugal

Por resolução da Assembleia da República (n.º 108/2011, de 10 de maio) foi instituído o Dia da Produção Nacional a 26 de abril. Este dia pretende chamar a atenção de todos para a importância socioeconómica de se consumir produto português. Garantir a autossuficiência não só liga as gentes ao seu território como movimenta a economia local, regional e nacional.

Publicado por Finanças | 0
Produção Nacional e mercados e indústrias mais fortes em Portugal

Portugal Sou Eu

«Portugal Sou Eu» - decerto que conhece esta afirmação. O programa Portugal Sou Eu (Resolução do Conselho de Ministros n.º 56/2011) é uma campanha da iniciativa do Ministério da Economia vocacionado para as PME nacionais, que desde 2011 visa apoiar a produção nacional, estimulando o mercado interno, mas também capacitando as empresas para se internacionalizarem se o desejarem.

Consumo em Portugal

Um estudo de 2014 da investigadora Helena Martins Gonçalves intitulado Estudo de Portugalidade, Hábitos de Compra de Produtos com Incorporação Nacional e Notoriedade da Marca “Portugal Sou Eu” destacava o vinho, o azeite, o peixe, o pastel de nata e o bacalhau como representativos da portugalidade. Nesse mesmo estudo, mostrava-se que 58,7% dos portugueses compravam produtos portugueses sempre que possível e que 73,6% procurava informação da origem do produto no rótulo; mas que 47,8% dos compradores já reconhecia o selo do produto no momento da compra.

Os portugueses mostravam preferência pelos seus produtos alimentares (azeite, vinho, pão, doçaria, pastelaria, fruta, legumes, peixe, carne e derivados, queijo) e dentro da categoria não alimentares, o calçado e o mobiliário eram a primeira escolha. Apesar de se estar em plena crise financeira, as preocupações com a sustentabilidade da economia do país faziam privilegiar a qualidade em detrimento do preço. No geral, os portugueses achavam-se satisfeitos com as suas opções (87,6%).

Mercados exportadores

Depois de um grande esforço da economia portuguesa durante anos, os dados de 2016, segundo o PORDATA, apontam para uma situação favorável da balança comercial de 2,2%. As exportações fazem-se sobretudo para a União Europeia, e apesar do crescimento sustentado do comércio de bens com a Itália, o destaque vai para a Espanha, França e Alemanha. Os principais bens transacionados são minérios e metais, máquinas e agroalimentares. Já nos serviços destaca-se o Reino Unido, França e Espanha, atraídos pelas viagens e turismo e transportes portugueses. De concluir que no que respeita aos bens, se exporta 84,5% do que se consome; contudo nos serviços Portugal é autossuficiente com um rácio de cobertura entre importações e exportações de 200%, portanto exporta o dobro do que consome.

Porquê estimular a produção nacional?

Valorizar a produção nacional é uma forma de consolidar Portugal nos mercados interno e externo; de estimular as transações comerciais; de lembrar a qualidade dos produtos portugueses a quem vive dentro de fronteiras; de sensibilizar a grande distribuição para a compra e a venda do produto português; de fomentar o consumo informado e a fidelização deste consumo; de criar emprego; e até mesmo de contribuir para a redução das emissões de CO2 resultantes do transporte das mercadorias. Por isso, sempre que possível, prefira produto português.

COMENTÁRIOS

20185
22701
5
0