Onde investir dependendo do objetivo?

Ter dinheiro disponível implica investi-lo para garantir ganhos no futuro. Esta ideia parece óbvia, até porque ter dinheiro parado significa perdê-lo. Menos óbvio é saber quais devem ser as escolhas de investimento. Um primeiro passo é pensar nos objetivos. Para cada objetivo deve ser delineada uma estratégia específica indo ao maior detalhe possível. Tomando como exemplo, garantir uma boa reforma, é importante definir com que idade nos queremos reformar, que valor de reforma estimamos como necessário perante as despesas que estimamos ter e que valor contamos receber da Segurança Social. Com estes dados em mãos e estimando um limite de vida, será possível avaliar qual o montante que é necessário acumular para garantir que o valor mensal de reforma se cumpre.

Publicado por Finanças | 0
Onde investir dependendo do objetivo?

Nessa estratégia há variáveis importantes a ter em conta e que condicionam o investimento, tais como:

- O valor disponível para investir: o montante inicial pode determinar os investimentos que é possível fazer, uma vez que há valores mínimos em alguns investimentos;

- Qual a data em que se começa a fazer o investimento: quanto mais cedo se começar, mais tempo será dado ao mercado para fazer aumentar o rendimento;

- Durante quanto tempo se quer fazer o investimento: quanto maior o espaço temporal, menor o esforço mensal que se tem de fazer e vice-versa;

- Que nível de risco estamos dispostos a assumir: o risco aumenta o potencial de ganhos no futuro, mas não dá garantias sobre a concretização desses ganhos. Esta ideia deve ser conjugada com o facto de cada um ter um determinado perfil de risco que importa conhecer.

Alinhar os objetivos com os planos de investimento

Em cima da mesa podem estar vários objetivos e para cada um destes há planos de investimento considerados mais adequados: 

Uma boa reforma: Trata-se de um objetivo mais a longo prazo, dependendo da data em que se começa a planear a reforma. Mas, neste caso, os produtos de investimento mais adequados são, por exemplo, carteiras de fundos ou Planos Poupança Reforma.

Um rendimento extra: Neste caso, o objetivo é acrescentar um valor estável e regular ao rendimento. Uma boa solução pode ser os depósitos a prazo cujos juros são pagos periodicamente.

Uma bolsa de segurança: Ter algum dinheiro de parte para acorrer a situações imprevistas é um fator de segurança. Aqui, o melhor é começar por aplicar um pé-de-meia já disponível numa conta a prazo ou em certificados de aforro, por exemplo, que têm capital garantido.

Ajudar os filhos no futuro: As despesas, por exemplo, com a educação dos filhos aumentam consoante a idade (LINK) e é bom acautelar o futuro. Há contas específicas para jovens, mas estas podem não ter um rendimento muito atrativo. Nesse caso, a alternativa poderá ser aplicar o capital em depósitos a prazo ou mesmo em carteiras de fundos.

Investir apenas: Para quem quer apenas investir e tem disponibilidade para esperar alguns anos, o investimento no mercado de ações é a forma de conseguir um melhor retorno (LINK). Neste caso, é aconselhável uma carteira diversificada.

 

 

COMENTÁRIOS

20185
22701
5
0