O que é a economia colaborativa ou de partilha?

A geração do milénio cresceu imersa num mundo tecnológico de comunicação em tempo real. A internet é-lhe tão familiar que desenvolveu uma grande capacidade para estabelecer relações de proximidade, ainda que a distância digital. Como percebe a realidade como efémera e em constante atualização, não se quer comprometer com aquisições que em pouco tempo se tornarão obsoletas. Identifica-se com este perfil?

Publicado por Finanças | 2
economia colaborativa

Formas de economia colaborativa

No seguimento desta nova lógica social, surgiu o conceito de economia colaborativa. Trata-se de uma prática comercial que supõe partilha, troca, permuta, aluguer e comércio de serviços dentro de uma comunidade online. Pode assumir a forma de consumo (car-sharing ou partilha de viatura; couch surfing ou estadia em casa de locais; meal sharing ou partilha de refeições com vizinhos; bookswapping ou partilha de livros; clothes  swapping ou troca de vestuário), produção (co-working ou trabalho em conjunto; co-criação ou trabalho de equipa; crowd learning ou partilha de conhecimento), financiamento (crowd funding), etc.

Portugal na economia colaborativa

Um estudo, realizado no final de 2015, indicava que o interesse dos portugueses com menos de 50 anos pela partilha de casa ou de automóvel era superior (84%) à média europeia (73%), o que significa que os portugueses estão predispostos a este novo modelo de negócio. Mas a falta de legislação ajustada torna-os desconfiados. A desconfiança dos operadores tradicionais em relação aos operadores online pela falta de legislação que ainda existe levou, em outubro, a uma manifestação muito participada dos taxistas, em Lisboa, contra os seus concorrentes a operar nas plataformas digitais.

Conheça as plataformas colaborativas portuguesas:

  - People Who Share Portugal

  - PPL | Crowdfunding Portugal

  - Massivemov

  - Portuguese Table

Legislação

A economia colaborativa cresceu rapidamente e as legislações nacionais ficaram desadequadas perante os novos modelos de negócio. Em junho deste ano, a Comissão Europeia, preocupada com falta de legislação adequada, apresentou diretrizes e recomendações aos estados membros e agentes comerciais a operar na economia colaborativa.

Viver da economia colaborativa

A economia, a sustentabilidade e o espírito de comunidade são as principais vantagens de quem adere. Logo, é possível viver da economia colaborativa, se tem estes valores e não receia partilhá-los com os outros. 

Plano mensal de poupança

Está disposto a poupar? Imagine que quer começar um negócio, mas não tem dinheiro para arrendar um espaço para o escritório de que precisa para si e para a sua equipa, porque já foram muitos os investimentos iniciais. A tabela abaixo é apenas um exemplo de poupança possível.

Se deseja ter um plano de negócio mais sustentável para a sua empresa, esta pode ser uma solução. Bem-vindo à economia de partilha!

COMENTÁRIOS

  • 2

    24/01/2017 20:23 HORAS

    E para os particulares, há também a plataforma colaborativa www.prontoatrocar.com para trocar objetos e serviços de forma multilateral sem gastar um euro!

  • 1

    24/01/2017 20:20 HORAS

    Para as empresas e as associações, há agora a plataforma colaborativa ex&co para trocar produtos e serviços entre profissionais.
    Uma moeda colaborativa permite fazer permutas multilaterais, e não unicamente troca bilateral.
    www.exandco.net

20185
22701
5
0