O que faço com o meu dinheiro? 5 opções de investimento para 2017

Todas as pessoas que possuem depósitos que lhes permitem poupar em cada mês, embora pouco, têm várias opções para rentabilizar esse capital remanescente. Independentemente do investimento a efetuar ser maior ou menor, a pergunta é sempre a mesma: o que faço com o meu dinheiro? Para responder a esta pergunta há que ter em conta muitos fatores, mas um dos mais decisivos é saber qual é o seu perfil de investidor. Há investimentos que podem proporcionar grandes lucros mas, quase sempre, esta possibilidade de ganhar mais dinheiro está associada a ter que assumir um maior risco. Se é daqueles que querem obter algum rendimento das suas poupanças mas não quer assumir grandes riscos, aqui tem uma relação das 5 opções de investimentos mais atraentes em 2017.

Publicado por Finanças | 1
investimento

Análise prévia dos produtos de investimento para 2017

Antes de entrar na descrição dessas opções de investimento, deve ter claros alguns conceitos básicos que terão que ser analisados antes da tomada de decisão. Para verificar se um investimento é bom ou não para si, examine os seguintes pontos:

- O montante mínimo requerido está dentro da margem que orçamentou.

- As despesas incluídas, tais como comissões de manutenção e despesas de gestão, são razoáveis para o tipo de investimento e não diminuem excessivamente os possíveis resultados.

- O lucro que gera ou pode gerar é razoavelmente adequado, se tiver em conta o risco que vai assumir.

- Se o período de tempo no qual vão ser gerados os lucros e durante o qual, portanto, não poderá dispor do seu dinheiro se adapta às suas necessidades económicas.

Uma vez analisados todos estes aspetos e encontrados os produtos que se adaptem às suas exigências, terá que optar por um ou vários deles, para efetuar o seu investimento. Aconselhamo-lo sempre a diversificar para que, se os resultados não forem os esperados, a totalidade das poupanças não seja afetada.

1. Contas de poupança e depósitos

Manter o seu dinheiro neste tipo de contas é talvez a opção mais fácil de rentabilizar as suas poupanças. Caracterizam-se por uma grande flexibilidade. As contas de poupança têm por hábito uma limitação de disponibilidade e os depósitos podem ser constituídos com condições de cancelamento que unicamente reduzem a taxa de juro a remunerar. Terá que ter em conta que, se a rentabilidade oferecida pela instituição for alta, o limite de dinheiro máximo que for retribuído costuma ser baixo. Além disso, é frequente que se liquidem juros a uma taxa mais alta no início do contrato, para depois essa taxa ser reduzida em períodos posteriores de liquidação. Costuma ser interessante consultar na Internet a oferta existente deste tipo de produtos.

2. Rendimento fixo

Em função do momento económico, a rentabilidade que os produtos de rendimento fixo oferecem pode variar mas, geralmente, este tipo de investimento proporciona lucros menores que os gerados noutros produtos. Por outro lado o risco assumido é nulo, uma vez que se conhecem de antemão os juros que irão ser gerados. Embora, nalgumas ocasiões, se possa decidir não colocar todo o dinheiro neste tipo de produtos, pode ser um bom suporte ter aí investido uma parte dele. Desta forma, são-lhe garantidos juros mínimos que farão com que os seus lucros fiquem um pouco mais estabilizados.

3. Fundos de investimento

Os fundos de investimento são administrados por diferentes gestores, que centralizam os seus esforços em conseguir a sua maior rentabilidade. Também tem influência o seu perfil de investidor, uma vez que, em função do risco que queira assumir, poderá escolher entre uns ou outros fundos. As opções disponíveis são muitas, mas muitos deles investem na Bolsa, rendimento fixo, metais preciosos, petróleo, serviços públicos e matérias-primas. É conveniente que, antes de se decidir por um fundo em concreto ou por um determinado gestor, conheça ao detalhe as despesas inerentes a cada um deles. Conhecer a evolução histórica de um fundo não lhe garante que os resultados irão ser reproduzidos em exercícios futuros, mas dá-lhe uma ideia de como foi administrado o fundo e que rendimentos poderá perspetivar.

4. Colecionismo

Investir em selos, quadros, gravuras, livros ou outro tipo de objetos de coleção pode ser um investimento rentável e, ao mesmo tempo, seguro. Para poder aceder a este tipo de investimento, poderá optar pelos canais clássicos, tais como lojas especializadas e antiquários, podendo também utilizar várias plataformas on-line, para o gerir. Através da Internet poderá aceder a toda a informação necessária e estudar as evoluções deste género de investimentos.

5. Metais preciosos

O investimento em metais, tais como o ouro e a prata, é uma alternativa tradicional para colocar as suas poupanças num mercado caracterizado por oferecer altos níveis de segurança. De facto, estes metais preciosos foram considerados sempre como um refúgio ativo, com oscilações muito menores que outros produtos podem ter, como, por exemplo, as ações.

COMENTÁRIOS

  • 1

    10/10/2017 10:06 HORAS

    Como não podia deixar de ser," mais um excelente artigo". O ponto 5, metais preciosos ( ouro e prata) outrora bem presente nas ofertas, fazem parte do activo familiar, com elevada" rendibilidade." Julgo que ainda hoje, é um bom investimento. Pelo menos, sem risco elevado. As. Maria Antónia Terrinha

20185
22701
5
0